Temporada 2018
setembro
s t q q s s d
<setembro>
segterquaquisexsábdom
2728293031 1 2
3 4567 8 9
1011 12 13 14 15 16
171819 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
1234567
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
05
jul 2018
quinta-feira 10h00 Ensaio Aberto
Ensaio Aberto: Alsop rege Almeida Prado e Strauss


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Marin Alsop regente
Bolsistas do Festival


Programação
Sujeita a
Alterações
José Antonio ALMEIDA PRADO
Sinfonia nº 2 - Dos Orixás: Suíte
Richard STRAUSS
Sinfonia Alpina, Op.64

 

Durante o Ensaio podem acontecer pausas, repetições de trechos

e alterações na ordem das obras de acordo com a orientação do regente. 

INGRESSOS
  R$ 12,00
  QUINTA-FEIRA 05/JUL/2018 10h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

JOSÉ ANTONIO ALMEIDA PRADO [1943-2010]

Sinfonia nº 2 - Dos Orixás: Suíte [1984-5] (Carlos Eduardo Moreno [org.])

CHAMADO AOS ORIXÁS - RITUAL INICIAL

OBATALÁ - O CANTO DO UNIVERSO


IFÁ - O CANTO DA ADORAÇÃO


OGUM-OBÁ - A DANÇA DA ESPADA E DO FOGO

IBEJI - CANTIGA PARA COSME E DAMIÃO

OXALÁ II - O JOGO DOS BÚZIOS
IANSÃ - O CANTO DA PAIXÃO


XANGÔ II - O CANTO DAS TEMPESTADES, RAIOS E CORISCOS

OXUMARÊ - O CANTO DO ARCO-ÍRIS


RITUAL FINAL

18 MIN

 

RICHARD STRAUSS [1864-1949]

Sinfonia Alpina, Op.64 [1911-15]

NOITE
NASCER DO SOL
ASCENÇÃO
ENTRADA NA FLORESTA
CAMINHANDO À BEIRA DO RIACHO
NA CASCATA
APARIÇÃO
SOBRE PRADOS FLORIDOS
NA PASTAGEM ALPINA
PERDENDO-SE POR ENTRE O BOSQUE DENSO E O MATAGAL

NO GLACIAR
INSTANTES PERIGOSOS
NO CUME
VISÃO
AUMENTO DO NEVOEIRO
O SOL ENCOBRE-SE POUCO A POUCO
ELEGIA
CALMA ANTES DA TEMPESTADE
TROVOADA E TEMPESTADE, DESCIDA
PÔR-DO-SOL
FINAL
NOITE

47 MIN

 

 

ALMEIDA PRADO

Sinfonia nº 2 – Dos Orixás: Suíte


Composta entre 1984 e 1985, por ocasião da comemoração dos dez anos da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, a Sinfonia dos Orixás foi construída originalmente em três movimentos: “Chamado dos Orixás (Ritual Inicial)”, “Manifestação dos Orixás” e “Ritual Final”. O corpo principal da obra é o movimento central, dividido em dezessete partes, em que são ouvidos quinze cantos dos orixás e dois interlúdios. Apesar destas divisões, a música transcorre sem interrupções, do início ao fim. Muitos dos seus motivos melódicos e rítmicos foram baseados em pontos recolhidos por sua mulher, Helenice Audi, que frequentava um centro de umbanda.


Se observada em sua estrutura geral, a Sinfonia dos Orixás assemelha-se a uma suíte, com um movimento introdutório e outro conclusivo. No entanto, a maneira como o compositor construiu o desenvolvimento temático da peça justifica a escolha pela denominação de “sinfonia”. Dois temas dialogam por toda a obra. O tema dos orixás femininos surge de um motivo de três notas, logo no início do primeiro movimento, e vai se construindo ao longo da Sinfonia. Já o tema dos orixás masculinos sofre o processo inverso: é apresentado como um tema completo e vai se diluindo até o movimento final.


Em 2010, o maestro Carlos Moreno idealizou e organizou uma suíte da Sinfonia dos Orixás, estreada, sob sua regência, com a Orquestra Sinfônica de Santo André, uma semana após a morte do compositor. Os movimentos inicial e final permaneceram inalterados, tendo a reorganização incidido apenas sobre a “Manifestação dos Orixás”. Das dezessete partes, oito foram mantidas.


Na Suíte [lançada pela Osesp no Selo Digital], temos uma introdução e uma conclusão, com uma sequência de cantos no movimento central, independentes do desenvolvimento temático. Fluem as melodias de fácil reconhecimento, que se sucedem e se sobrepõem, mas o destaque está na escrita rítmica e na ampla seção de instrumentos de percussão. O extenso movimento central apresenta uma grande variação de ambientes, como o breve e quase estático “Ifá”, o pulsante “Ogum-Obá” e o lírico “Ibeji”. “Manifestação dos Orixás” se conclui com “Oxumarê”, preparando o “Ritual Final”. Neste movimento os instrumentos entram em grupos: primeiro os metais, seguidos das cordas, da percussão e das madeiras. Cada um deles toca um motivo e o repete incessantemente até que todos se encontrem em um brilhante e sonoro acorde que encerra a Sinfonia.


CARLOS FIORINI é regente e professor de regência

do Departamento de Música da Unicamp.

 

 

STRAUSS

Sinfonia Alpina, Op.64


“[...] minha Sinfonia Alpina [...] envolve purificação moral por meio do esforço próprio, liberação por meio do trabalho e a adoração da eterna e gloriosa Natureza” (1): assim referiu-se Richard Strauss [1864-1949] à sua última grande obra sinfônica em seu diário em 1911, quando intensificou a dedicação à obra, iniciada já em 1900. Apesar do título, a Sinfonia Alpina é em sua estrutura um poema sinfônico, gênero explorado com maestria pelo compositor e que consiste em uma obra orquestral em movimento único que alude a um conteúdo extramusical (um programa, sendo por isso uma obra programática). Trata-se da escalada e descida de uma montanha nos Alpes Bávaros, do alvorecer ao anoitecer, em 22 seções interligadas que recebem títulos de eventos e paisagens do caminho. Strauss realizara a aventura na juventude (2), e desde 1908 residia na região (3).


A magistral orquestração requer 125 músicos, contendo tubas wagnerianas, metais fora do palco, órgão e vários instrumentos de percussão, incluindo máquinas de trovão e de vento – em seu primeiro uso orquestral. A peça possui caráter cíclico, começando e terminando com o motivo descendente da “Noite” e eclodindo, em sua metade, no clímax protagonizado pelos metais na “Visão” panorâmica do cume. Os metais também marcam o “Nascer do Sol” com um acorde glorioso, e a “Entrada na Floresta”, agora criando uma aura de mistério. Rápidos arpejos descendentes ilustram a queda d'água em “Na Cascata”, em “Na Pastagem Alpina” podemos ouvir sinos de vacas (4) e cantos de pássaros, e em “Na Geleira” uma modulação para o modo menor cria uma atmosfera de perigo. Na segunda metade da peça a orquestração gradativamente escurece, preparando os assustadores “Trovoada e Tempestade”, que se dissipam para a “Descida” e “Pôr- do-sol”. Uma engenhosidade técnica: na primeira metade da peça os temas principais são ascendentes, ilustrando a subida; na segunda metade, a descida, os temas tornam-se descendentes. O tema da “Descida” após a tempestade, por exemplo, é a inversão do tema da “Ascensão”.

 

Poeticamente, a obra também pode aludir à jornada de uma vida: talvez a do próprio compositor, que adentrava a faixa dos 50 anos em 1914 (embora ainda fosse viver outros 35); talvez a do artista plástico (e alpinista amador) Karl Stauffer, a quem a peça foi dedicada em um rascunho (5); ou quem sabe a de Gustav Mahler, cuja morte em 1911 abalou Strauss profundamente. A referência pode ser ainda à vida arquetípica de um artista, sendo inspirada na obra de Nietzsche (6).


Strauss regeu a estreia em 1915 e, depois, a primeira gravação da obra. Nos 15 anos de gestação da peça, compôs as óperas Salomé e Elektra, cujas dissonâncias pavimentaram a via de dissolução do tonalismo, então já percorrida por compositores como Stravinsky e Schoenberg. A harmonia da Sinfonia Alpina é, contudo, menos cromática e vanguardista – como ocorre com surpreendente frequência nas estéticas de compositores inovadores quando contemplam suas vidas a partir de seus crepúsculos.

 

1. Diário de Strauss citado por Stephan Kohler na Introdução à partitura da Sinfonia Alpina pela editora Eulenburg.
2. Aos quinze anos, Strauss juntou-se a um grupo para escalar a montanha Heimgarten a partir da cidade de Murnau. A experiência, narrada em cartas para sua irmã, contém eventos muito similares aos títulos das seções da Sinfonia Alpina.
3. Em 1908, Strauss construiu uma casa na pequena cidade Garmisch-Partenkirchen, no sul da Alemanha, próxima ao mais alto cume dos Alpes em território germânico (o Zugspitze).
4. Mahler já havia utilizado o efeito, com o instrumento de percussão cowbell, em sua Sinfonia nº 6 [1906].

5. Karl Stauffer-Bern foi um pintor e escultor suíço do século XIX, nascido na região dos Alpes, que se tornou famoso por seus retratos – especialmente depois que um episódio amoroso malsucedido o levou a ser internado em uma clínica psiquiátrica. Um dos rascunhos da Sinfonia Alpina recebeu o título de Künstlertragödie (Tragédia de um Artista), contendo em sua contracapa a indicação: Tragédia Amorosa de um Artista – em Memória de Karl Stauffer.
6. Strauss foi profundamente influenciado pela obra de Nietzsche e em um dos rascunhos chegou a intitular a Sinfonia Alpina de O Anticristo – homonimamente ao livro do filósofo. Coincidência ou não, esse nome foi retirado no rascunho que sucedeu a morte de Mahler, que convertera-se ao cristianismo.


JÚLIA TYGEL é pianista e professora na Faculdade de Música Souza Lima e

na EaD da UFSCar. É doutora em Música pela USP com estágio na

City University of New York como bolsista CAPES/Fulbright.

 


Leia o ensaio "Richard Strauss: Sinfonia Alpina", de Malcolm Macdonald, aqui.